top of page

Doação de sangue



A transfusão de sangue é indispensável para vários tratamentos de saúde, seja clínico ou cirúrgico. Sabemos que o consumo de hemocomponentes é maior com avançar da idade pois há um aumento das comorbidades e, consequentemente, da necessidade de tratamentos mais agressivos que levam à necessidade de transfusão. Além dos atendimentos hemoterápicos rotineiros, milhões de pessoas são afetadas por emergências todos os anos. Desastres naturais como terremotos, inundações e tempestades criam necessidades consideráveis de cuidados de saúde de emergência e, ao mesmo tempo, muitas vezes também destroem instalações de saúde e adoecem a população. Desastres causados pelo homem, como acidentes rodoviários e conflitos armados, também geram demandas extraordinárias de transfusão de hemocomponentes.


Na pandemia do COVID-19 houve, de forma geral, uma redução da doação de sangue que não foi compensada pela redução da demanda causada pela suspensão dos procedimentos cirúrgicos eletivos, levando a um déficit nos estoques de hemocomponentes dos bancos de sangue e a dificuldades no atendimento à população.


Apesar de haver várias medidas, muito bem-vindas, para reduzir a transfusão de hemocomponentes, essa é inevitável. Vale lembrar que não há medicamento capaz de substituir as hemácias ou as plaquetas. Ou seja, a única forma de apoiar os pacientes que necessitam de transfusão é manter o estoque dos bancos de sangue sempre abastecidos.


Então, o que você pode fazer para ajudar? Doar sangue.


A doação no Brasil é voluntaria e não remunerada. É um ato de solidariedade. Para doar sangue você deve comparecer ao serviço de hemoterapia mais próximo de sua casa levando consigo um documento oficial com foto, muito amor e disposição em ajudar.


Na primeira etapa do processo de doação de sangue, você receberá orientações gerais seguido do seu cadastro no serviço. Na próxima etapa você será submetido a uma avaliação clínica e hematológica por meio de uma entrevista sigilosa onde são feitas perguntas sobre a sua saúde atual e pregressa, hábitos de vida, viagens, vacinação, uso de medicamentos e comportamentos que podem aumentar o risco de transmissão de alguma doença para o paciente que receber o sangue doado. Também são avaliados dados como peso corpóreo, frequência cardíaca, pressão arterial e valor da hemoglobina ou do hematócrito, para avaliar se você está ou não com anemia e se está apto a doar. A seguir, vem a etapa da coleta do sangue propriamente dita, usualmente do sangue total, e das amostras para realização de exames. O tempo máximo da agulha no braço do doador é de 15 minutos neste tipo de doação. Após esta etapa, o sangue doado e as amostras vão para laboratórios específicos onde o sangue será processado em seus componentes (concentrado de hemácias, plaquetas, plasma ou crioprecipitado), podendo atender até 3 pessoas com apenas uma doação. As amostras serão testadas e, após a avaliação dos resultados, os componentes do sangue serão liberados e distribuídos para os serviços responsáveis pela transfusão dos pacientes.


Todos os anos, em 14 de junho, países de todo o mundo celebram o Dia Mundial do Doador de Sangue em uma campanha conjunta coordenada pela Organização Mundial de Saúde que tem como objetivo principal estimular a solidariedade. Este dia foi escolhido para homenagear Karl Landsteiner, nascido em 14 de junho de 1868 em Baden na Áustria. Ele foi o responsável pelo descobrimento dos sistemas ABO e Rh, os dois principais sistemas de grupos sanguíneos.


Os objetivos específicos da campanha de 2022 são:


  • agradecer aos doadores de sangue do mundo e conscientizar o público sobre a necessidade de doação de sangue regular e não remunerada;

  • destacar a necessidade de doação de sangue comprometida durante todo o ano, para manter suprimentos adequados e alcançar acesso universal e oportuno à transfusão de sangue segura;

  • reconhecer e promover os valores da dádiva de sangue voluntária não remunerada no reforço da solidariedade comunitária e da coesão social;

  • aumentar a conscientização sobre a necessidade de maior investimento dos governos para construir um sistema nacional de sangue sustentável e resiliente e aumentar a coleta de doadores de sangue voluntários não remunerados.


Fica aí o nosso convite: seja um doador voluntário de sangue. Doe sangue, doe vida, sempre.


Um abraço da equipe Erytro


Referências:

1 comentario


Seria um incentivo aos bancos de sangue, se os jovens já aprendessem desde cedo nas escolas, a importância da doação de sangue, talvez quando adultos teriam a consciência de que essa ato salva vidas.

Me gusta
bottom of page